• publicidade

Brasil terá boa safra de games

Por Redação
In Tecnologia
janeiro 28, 2017
0 Comentários
287 Views

Estúdios e produtoras novatas trazem novidades

texto: Por Bruno Capelas/ae | fotos: divulgação

texto: Por Bruno Capelas/ae | fotos: divulgação

O ano de 2017 promete ser bom para os games brasileiros. Depois de uma safra forte em 2015, com os primeiros jogos nacionais chegando para PlayStation 4 e Xbox One, e uma temporada mediana no ano passado, os principais estúdios do país anunciaram lançamentos para os próximos meses. Entre eles, há títulos para smart-
phones, PCs e consoles.
Há uma razão para que a indústria brasileira de games passe por ciclos: a vasta maioria dos estúdios no país hoje tem equipes de, no máximo, 15 pessoas, o que permite dar vazão a apenas um jogo por vez – em média, um game leva cerca de dois anos para ser desenvolvido. Muitos estúdios, porém, demoram mais por enfrentar contratempos diversos, como falta de dinheiro ou necessidade de treinamentos para a equipe.
É o caso da Bad Minions, de Brasília. Em setembro, a empresa deve finalmente lançar Alkymia, seu primeiro jogo comercial, após três anos de desenvolvimento. “Fazer um jogo grande envolve muita pesquisa e criação de conteúdo. Um cenário, por exemplo, demora cinco meses para ser feito”, explica Leonardo Batelli, sócio-fundador da Bad Minions.
Quem também traz novidades este ano é a brasiliense Behold. Conhecida pelo best-seller Knights of Pen and Paper, que vendeu 3 milhões de cópias no mundo todo desde 2013, a empresa passou 2016 fazendo planos. Agora, prevê para o meio do ano o lançamento de Galaxy of Pen and Paper, que transforma o universo medieval do jogo anterior em uma aventura de ficção científica. “Pensamos que fazer o Galaxy seria ótimo para melhorar o que erramos e trazer frescor para a franquia”, diz Saulo Camarotti, sócio da Behold.

Vem aí

Eternity: The Last Unicorn
Primeiro game da Void Studios (SP), Eternity: The Last Unicorn é inspirado na mitologia nórdica, contando a história de um guerreiro viking e uma elfa. Entre as referências, estão a série Souls, Resident Evil e Onimusha. Sai até março, para PCs, PlayStation 4 e Xbox One.

Alkymia
Desenvolvido há três anos, Alkymia é o jogo de estreia da Bad Minions (DF). “Tudo o que o jogador pode fazer está relacionado à alquimia”, diz o produtor Leonardo Batelli, sobre o jogo de aventura em 3D previsto para setembro nos PCs. Versões para PS4 e Xbox One não estão descartadas.

Ballistic Overkill
Nascido como game gratuito no Facebook em 2011, Ballistic cresceu, ganhou o sobrenome Overkill e se tornou pago. Previsto para o 1.º trimestre, o jogo de tiro já foi descrito como “filho de Call of Duty com Overwatch”. Feito pela gaúcha Aquiris (Horizon Chase), sai só para Pcs.

Guardiões da Harpia
No mesmo universo de Aritana e a Pena da Harpia, primeiro game brasileiro para o Xbox One, Guardiões da Harpia será um jogo gratuito para dispositivos móveis, no estilo ‘runner’ – no qual o personagem corre pela tela em busca de moedas e fugindo de inimigos. Sai no 2º semestre, para Android.

Galaxy of Pen and Paper
Previsto para o meio do ano, Galaxy of Pen and Paper leva para o universo da ficção científica a diversão medieval de Knights of Pen and Paper, sucesso da Behold (DF) em 2013. Chega para PCs e dispositivos móveis, com textos bem-humorados, referências da cultura pop e visual retrô.

Skytorn
Quem também aposta no visual retrô é Skytorn, parceria de Pedro ‘Santo’ Medeiros (de TowerFall Ascension) com o canadense Noel Berry. Inspirado em games como Metroid e Zelda, o jogo (para PC e PS4) tem aventura e exploração, além de uma protagonista andrógina, Névoa.

Deixe uma resposta