• publicidade

Mitos e Verdades sobre ensino bilíngue

Por Funcionarios AWR
In Notícias
abril 28, 2018
0 Comentários
15 Views

Educação desenvolve os lados cognitivo e social da criança

A educação bilíngue ainda gera muitas curiosidades e dúvidas. Em paralelo, cada vez mais famílias têm optado por esse ensino. Os motivos são distintos, mas o principal é facilitar a vida dos filhos que terão uma segunda língua como natural desde cedo. Segundo Ana Sgarbi, coordenadora do ensino bilíngue no Colégio Polo, muitos pais têm dúvidas e acreditam que a educação bilíngue desde cedo pode atrapalhar o aprendizado, quando não é verdade. “Muitos estudos comprovam o contrário. Os ganhos são muitos. Alguns deles estão na pronúncia: se a criança tem contato com uma segunda língua desde a primeira infância, reconhece e produz os fonemas de maneira muito mais natural, sem se preocupar com comparações com sua língua materna”, comenta.

Mitos e Verdades

• Educação bilíngue atrapalha o aprendizado: MITO
Pesquisas na área de neurociência mostram que iniciar a escolaridade em escolas bilíngues em nada atrapalha. Muito pelo contrário, a criança, quando exposta à segunda língua desde cedo, tem seu cérebro estimulado em diferentes regiões, o que possibilita conexões mais rápidas e naturais. Quando atinge a idade escolar avançada, essas conexões mais velozes vão possibilitar muitos ganhos pedagógicos.

• O ensino bilíngue desenvolve os lados cognitivo e social: VERDADE
Os ganhos acadêmicos são muitos: fluência na língua, naturalidade na comunicação, melhor compreensão de regras gramaticais e conexões mais rápidas. Mas os ganhos sociais também são bastante significativos. Crianças expostas a contextos bilíngues tendem a ser mais criativas, mais flexíveis e a desenvolverem habilidades de resolver problemas, mostrando uma mente mais aberta e respeitosa às diversidades.

• A criança também tem imersão em uma segunda cultura: VERDADE
Em um contexto bilíngue, o segundo idioma não é somente uma disciplina, nem só a língua usada para comunicação entre professores e alunos. Inevitavelmente, expressões e vocabulários específicos da língua em questão são trabalhados. Mas são trazidas também questões relacionadas à alimentação, vestimenta, brincadeiras, semelhanças e diferenças de modos de viver, pensar e organizar o mundo, tornando-se naturais para as crianças. Se pensarmos que a cultura é isso, então sim, crianças expostas à educação bilíngue têm contato com diferentes culturas.

• A criança pode esquecer a segunda língua aprendida senão treinada em casa: MITO
Pesquisadores da área da linguagem diferem ‘aprender’ de ‘adquirir’. Quando você aprende uma segunda língua, você domina questões gramaticais, sabe regras e usos. Porém, quando você adquire uma segunda língua, você desenvolve habilidades de se comunicar com um interlocutor, compreende e se fazendo compreender. Muito mais do que acumular informações, a aquisição de uma segunda língua requer interação significativa, natural e contextualizada, em situações reais de convívio.

• A educação bilíngue é mais fraca. MITO
Não existe uma só possibilidade de educação bilíngue e nem um só currículo a ser seguido. Como a escola se organiza para oferecer esse ensino, depende do tipo de aluno que a escola quer formar e onde quer chegar. “Se pensarmos, no entanto, que ser bilíngue é ser capaz de se comunicar em duas línguas, a grade curricular de uma escola deve proporcionar que os alunos sejam capazes de produzir e se comunicar nas duas línguas. Mas ela não deve alterar sua prática pedagógica. Seus ideais, suas características, seus alicerces serão os mesmos independentemente de ser bilíngue ou não”, esclarece Ana Sgarbi.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *