• publicidade

Fibras são necessárias ao bom funcionamento intestinal

Por Funcionarios AWR
In Saúde
maio 31, 2019
0 Comentários
79 Views

Falta de informação sobre as principais fontes diminui o consumo

texto: Evelin Azevedo/infoglobo / imagem: divulgação

A pesquisa ‘O Consumo de Fibras no Brasil’ mostra que 78% dos brasileiros afirmam que consomem fibras, mas apenas 37%relatam ingerir alimentos ricos no elemento mais de uma vez ao dia. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a ingestão de 25 gramas de fibras por dia, mas, no Brasil, a média é de apenas 12g a cada 24 horas.
As fibras são fundamentais para o bom funcionamento do intestino. Elas podem ser divididas em dois grandes grupos, as solúveis e as insolúveis.
– Fibras como as de folhas e de cereais são exemplo das insolúveis, porque elas atravessam o intestino intactas e possuem a função mecânica de fazer uma varredura no intestino, levando consigo partículas de substâncias que não são bem digeridas, para eliminá-las nas fezes.
Já as fibras solúveis são dissolvidas na água ou no suco gástrico. Elas se transformam em um gel, como o exemplo da chia, e aumentam o bolo fecal, deixando as fezes mais macias e fáceis de eliminar, explica a nutricionista Marcia Daskal.
As fibras solúveis podem ser fermentadas pelas bactérias da flora intestinal, aumentando a quantidade de micro-organismos bons que ajudam o intestino a funcionar bem. Para que isso aconteça perfeitamente, é preciso beber bastante água. Ao adicionar fibras à sua alimentação – mudança que deve ser gradual -, o consumo de água deve aumentar.
O estudo encomendado pela marca FiberNorm e realizada pelo Ibope Inteligência pela internet aponta que arroz e feijão são as principais fontes de fibra dos brasileiros. Dos que disseram que não comem fibras, 39% afirmaram não saber quais alimentos contêm o elemento (veja a seguir alguns alimentos ricos em fibras).
– O custo também é um dos motivos que fazem as pessoas não consumirem fibras, já que as principais estão em alimentos dos quais a população não faz muito uso, afirma Maria do Carmo Friche, gastroenterologista e professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Deixe uma resposta